02 abril 2009

BORN A LION



Depois de alcançarem um honroso terceiro lugar no pódio do Termómetro Unplugged realizado em Abril de 2006 e de abrirem em Maio o concerto em Portugal dos britânicos Art Brut, os Born a Lion, da Marinha Grande, assinaram pela Rastilho Records o contrato para a edição de "John Captain", disco produzido por Marco Jung (Ianasonic, Dapunksportif) e que contou com a participação especial de Paulo Furtado (The Legendary Tiger Man, Wraygunn) nas músicas “My Black Horse” (slide-guitar) e “67´Cadillac” (voz). A música dos Born a Lion remete-nos para a paisagem bucólica norte americana, sempre ao longo do curso do Mississippi. Em estúdio a voz de Rodriguez (Rodrigo Cassiano, também baterista) ganha contornos Blues nunca antes imaginados possíveis. A guitarra de Melquiadez (Bruno Cantanhede) cruza frequentemente a ténue barreira entre o Blues e o Rock, enquanto que o baixo de Nunez (Nuno Lopes) é a força motriz do universo Born a Lion. As influências reclamadas pela banda são notórias. Um misto de Johnny Cash, Immortal Lee County Killers, Black Sabbath e de Led Zeppelin. Mas não se deixem iludir, os Born a Lion não são mais uma banda que tenta entrar na onda retro por uma questão de moda ou facilitismo. Cada um dos elementos que compõem este trio cresceu a ouvir Blues e Rock´n´Roll e a dedilhar os primeiros acordes ao som dessas bandas. Sem efeitos de catering ou acessórios fúteis, a música dos Born a Lion fala-nos de histórias conturbadas de amor, das vicissitudes da vida. São 8 temas, distribuídos ao longo de 23 minutos de puro Rock em estado impoluto com influências Blues e com um desfecho inimaginável: "Jailbreak” - uma autêntica delícia Gospel, em que os Born a Lion levam aos limites a intensidade do seu Blues acompanhados por um vibrante coro feminino. É assim "John Captain", o Mississipi sempre presente, o Blues de Detroit uma influência constante. São músicas com corpo e alma, tocadas com devoção por quem tem um flirt obsessivo por Rock´n´Roll. O artwork conceptual foi idealizado pela própria banda e recriado pela empresa Coma Visions. O video-clip "John Captain" da autoria do cineasta Carlos Barros (filmado em Torre de Moncorvo e produzido pela Lightbox) é uma peça western cinematográfica no melhor estilo Clint Eastwood. E, acima de tudo, uma história de um amor.....trágico! Apesar do nome, o segundo disco dos Born A Lion mostrou-se um registo menos blues que o anterior. Esta nova etapa mostrou-nos um grupo muito mais voltado para o rock. Quando iniciou a sua actividade, a banda sempre se afirmou influenciada pelo grande som que emergiu dos gloriosos anos 70. Depois de escutarmos o primeiro registo, a afirmação parecia fazer pouco sentido. Agora sim, passado todo este tempo percebemos o que sempre quiseram dizer. "Bluzebu" é um disco que penetra nos anos 70 e se deixa levar pelo som de bandas como MC5, Led Zeppelin, Motörhead, Black Sabbath, Deep Purple e Rolling Stones. A maior referencia de todas é Black Sabbath, ao ponte de na faixa "Soldier Blues" Rodriguez aproximar a sua forma de cantar à de Ozzy Osbourne. Contudo, a espaços, este registo continua a ir buscar alento a sons como o blues e o country. Só que agora estas referencias, aparecem quase sempre tapadas pela grande massa de guitarras rock. É fácil então de perceber que "Bluzebu" é um disco de rock puro e duro. Um registo directo, sem grandes artefactos, que tem como arma de arremesso as suas músicas. Pena é, que a produção e masterização não tenham sido mais cuidadas. Em algumas partes do disco perde-se a essência do som, com a voz de Rodriguez a mergulhar demasiado na muralha de guitarras e quase a perder o pé. Existe aqui e ali, algum desequilíbrio, provocado pelo facto de alguns temas terem sido gravados fora do poiso onde a banda registou a maioria deste disco. O disco merecia de facto outro brilho, merecia outra vida, porque aqui existem de facto grandes temas. Estamos perante três músicos com rock nas veias, que sabem o que querem desta vida lixada de artista. Sabemos que é no palco que os Born A Lion mais sentem a musica.

DISCOGRAFIA


JOHN CAPTAIN [CD, Rastilho Records, 2006]


BLUEZEBU [CD, Edição de Autor, 2009]


III [CD, Raging Planet, 2014]

COMPILAÇÕES


ENTULHO SONORO 01 [CD, Underworld, 2007]


NOVO ROCK PORTUGUÊS [2xCD, Chiado Records, 2007]


3 PISTAS 02 [2xCD, iPlay, 2009]


SONS DE VEZ 10 ANOS [2xCD, CM Arcos de Valdevez, 2012]


LEIRIA CALLING [CD, Omnichord Records, 2014]

PRESS
Rock à Leão!, Dora Carvalhas, Underworld nº22, 12-2006

0 comentários: