02 abril 2009

TARA PERDIDA



Tara Perdida nasce fruto da junção de dois projectos: de um lado João Ribas, que após uns anos de ausência vinha com vontade de criar mais uma banda de punk rock hardcore e contava para isso com o apoio de Cró; do outro Ruka e Orlio procuravam baixista e vocalista para banda do mesmo género. Bem vistas as coisas, era a junção perfeita. Já com algumas ideias marcadas e alguns temas compostos por parte de Ruka e Ribas, a banda começa a ensaiar no dia 10 de Junho de 1995, conseguindo dar o seu primeiro concerto no dia 17 de Novembro desse mesmo ano, sendo a formação constituída por João Ribas (guitarra e voz), Ruka (guitarra), Cró (baixo) e Orlio (bateria). Seguiram-se mais alguns concertos e em Fevereiro de 1996, já com 14 temas compostos, assinam pela editora independente Música Alternativa. As Gravações começam em Abril de 96, dando-se a primeira mudança na formação durante as mesmas, saindo Cró e entrando para o seu lugar o baixista Jimmix. Nesse mesmo ano, e enquanto se davam os retoques finais no disco, a banda aproveitou o Verão para dar alguns concertos, sendo de salientar a prestação dada no palco Blitz do Festival Vilar de Mouros. Finalmente em Novembro saí o álbum "Tara Perdida" tendo tido uma boa aceitação por parte do público. No ano de 1997 a banda parte em digresso pelo país, tendo mesmo tido a oportunidade de abrir para várias bandas bastante populares da cena punk rock hardcore como os NOFX, Ratos do Porão ou The Exploited. No verão desse ano, a banda começa a trabalhar no seu segundo álbum, tendo este sido gravado entre Maio e Junho de 1998. É nesse mesmo período que a banda tem a oportunidade de abrir para os The Offspring nos Coliseus de Lisboa e Porto. O segundo álbum de originais dos Tara Perdida é editado em Outubro de 1998, sendo o resto do ano e o ano seguinte aproveitado para dar concertos, destacando-se a única ida ao estrangeiro, com uma actuação no festival C'Rock Note em França. Em Novembro de 1999 a banda sofre uma restruturação, entrando Ganso para a guitarra. Em Março de 2001 Orlio deixa a banda, sendo substituído por Kistos, um baterista bastante versátil que permitiu à banda atingir outra sonoridade. Com esta formação - João Ribas (voz), Ruka e Ganso (guitarras), Jimmix (baixo) e Kistos (bateria)-, os Tara Perdida gravam, em Maio desse ano, uma demo com cinco dos temas que iriam fazer parte do seu terceiro álbum., Demo esta que serviu não só para testar o impacto sonoro das novas músicas, como também para observar e melhorar a coesão musical do grupo. No final de 2001, após terem renovado o contrato com a Música Alternativa, a banda dá início ao plano de gravação do seu terceiro álbum, "É Assim" que é lançado em Junho de 2002. No final de 2003, Kistos resolve deixar os Tara para se dedicar a tempo inteiro a outro projecto (Clockwise), sendo substituído por Rodrigo, também conhecido por Yogourt. Com esta nova formação a banda grava uma demo com os temas que iriam fazer parte do seu quarto álbum, intitulado "Lambe-Botas". [MySpace]

DISCOGRAFIA


TARA PERDIDA [CD, Música Alternativa, 1995]


SÓ NÃO VÊ QUEM NÃO QUER [CD, Música Alternativa, 1998]


É ASSIM [CD, Música Alternativa, 2002]


LAMBE BOTAS [CD, Difference Music, 2006]


NADA A ESCONDER [CD, Universal, 2008]


É INCRÍVEL [DVD, Universal, 2008]


SENTIMENTO INGÉNUO [CD Single, Universal, 2008]


DONO DO MUNDO [CD, Sony Music, 2013]


LUTO [CD, Sony Music, 2015]


METAMORFOSE [CD, Blitz, 2016]

COMPILAÇÕES


CAOS EM PORTUGAL [CD, Fast'n'Loud, 1997]


CÍRCULO DE FOGO 02: RITUAL [MP3, Círculo de Fogo, 2007]


ATAQUE FRONTAL [2xCD, Impulso Atlântico, 2008]


ROCK'N RIOTS: A TRIBUTE TO FOOTBALL FANS [CD, Portugal Ultra, 2008]


25 ANOS DE VENENO [CD, Ulmeiro, 2012]

PRESS
Brevemente Num Subúrbio Perto de Si, Blitz nº 578 de 28-11-1995
O Regresso da Confusão, Miguel Francisco Cadete, Blitz nº 586, 23-01-1996
O Segundo Combate, Miguel Francisco Cadete, Blitz nº 589 de 13-02-1996
Sem Retorno, Miguel Francisco Cadete, Blitz nº 629 de 19-11-1996
Vai d’Embute, Miguel Francisco Cadete, Blitz nº 641 de 10-02-1997
Guia Crítico-Divertido, Sónia Pereira, Blitz nº 726 de 29-09-1998
Os Tarados de Alvalade estão de Volta, Horácio Mia, Raio X nº 15 de 04-12-1998
Mas não Esquecida, Patrícia Lemos, Promúsica 26 de 03-1999
Competentes e Versáteis, José Rodrigues, Blitz nº 926 de 30-07-2002
Punk Rock Luso à Mesa, Márcio Alfamanga, Raio X nº 46 de 08-2002
Nascer Desalinhado, Dora Carvalhas, Rock Sound nº 1, 10-2002
Força de Libertação, José Rodrigues, Blitz 1080 de 12-07-2005
Os Anti-Heróis, Joaquim Pedro, Underworld nº 22, 12-2006
Punk Para Sempre, Rui Miguel Abreu, Revista Bliz 24, 06-2008

1 comentários:

Edgar Cavaco disse...

As capas dos dois primeiros discos estão trocadas. O primeiro disco dos Tara Perdida (homónimo) é o com a capa com o cão, o segundo (Só não vem quem não quer) o do miúdo "tatuado".

A título de curiosidade, vi os Tara Perdida em Faro, em 97, no 2.º (e infelizmente último!) Festival Super Rock, juntamente com Punk-Kecas (uma banda punk-hardcore de Faro que deveria constar neste blog!), Renegados de Boliqueime, Mata-Ratos, os betinhos NOFX e os espanhóis Soziedad Alkoholika. Velhos e saudosos tempos...