10 maio 2009

JORGE CRUZ



Nascido na Praia da Barra, passou por Angola até se estabelecer na Costa da Caparica onde, influenciado pelo Hip Hop, formou um duo com o guitarrista Rui Jorge Abreu. Aos 15 anos, voltou à sua terra natal, casou-se, foi basquetebolista, leu os existencialistas e formou os Superego que gravaram, em 1998, o disco "Quem Concebeu o Mundo Não Lia Romances". Ao vivo, os Superego abriram para Sérgio Godinho e Jorge Palma e podem, segundo o próprio, ser acusados de ter interrompido músicas para descer do palco e participar em rixas. Com o segundo disco, "A Lenda da Irresponsabilidade do Poeta" (2001) fecharam a sua história inscrita num manifesto cómico-radical que não lhes granjeou amizades. Entretanto, Jorge Cruz editara 300 exemplares de canções acústicas gravadas em cassete baptizadas de "O Pequeno Aquiles". Licenciou-se em psicologia, divorciou-se e foi tocar nas ruas de Barcelona e de Santiago de Compostela. Estagiou com o músico guineense Oli Silva, formou uma fanfarra de música tradicional portuguesa de fusão e, em 2003, gravou o álbum "Sede" que viria a ser editado pela NorteSul. Dedicou-se então à escrita de short-stories e romances de amor. Na Primavera de 2006 formou 4 bandas e foi para a Senhora da Hora gravar "Poeira" com músicos portuenses da área do rock, do jazz, do reggae e da música tradicional. Em 2007, após ter deixado o Porto rumo a Lisboa, foi apresentado a Tiago Guillul e a Samuel Úria, tendo ido até Sesimbra gravar o primeiro disco de João Coração que acabou por co-produzir. Manuel Fúria convenceu-o a produzir Os Golpes e João Só e Os Abandonados. Ainda em 2008, formou em Oeiras a banda Diabo Na Cruz com Bernardo Barata (Feromona) e João Pinheiro (TV Rural), à qual se juntaram B (Fachada) e João Gil (V.Economics). O primeiro álbum para a FlorCaveira foi gravado em Maio. Com a Helena Madeira (Dazkarieh e Mú) formou igualmente o duo Os Vígaros. Chama-me Jorge Cruz e está sempre a mudar de casa...

DISCOGRAFIA


O PEQUENO AQUILES [CD, Murmúrio, 1999]


SEDE [CD, Nortesul, 2003]


FADO DE UMA RUA QUALQUER [CD Single, Nortesul, 2004]


SEDE [Reedição] [CD, Nortesul, 2005]


ADRIANA [CD Single, Nortesul, 2005]


POEIRA [CD, Som Livre, 2007]


ENTRE IGUAIS [CD Single, Murmúrio/Mbari, 2011]


BARRA 90 [CD, Murmúrio/Mbari, 2011]

COMPILAÇÕES


3 PISTAS [CD, Universal, 2005]


A FLORCAVEIRA APRESENTA O ADVENTO [CD, Flor Caveira, 2008]

PRESS
O Pequeno Aquiles: Jorge Cruz edita a Solo, Blitz nº791 de 28-12-1999
O que está para Trás, Jorge Manuel Lopes, Blitz nº796 de 01-02-2000
Supersolo, Jorge Manuel Lopes, Blitz 1042 de 19-10-2004

4 comentários:

ert disse...

Há alguns meses tinha colocado dados na página do JC no wikipédia porque tinha sido anulada por um administrador. Fui lá hoje e também eliminaram a que eu coloquei. Provavelmente porque tinha aproveitado a biografia oficial.

Não interessa. Agora coloquei uma mais simples e espero que não voltem a apagá-la só porque tem "pedigree".

http://pt.wikipedia.org/wiki/Jorge_Cruz

O álbum de estreia teve duas edições com capas diferentes. Sei que não é 2003 mas não consegui ter a certeza se é 2004 ou 2005 . Falta aqui também a participação no disco "3 Pistas".

Bourbonese disse...

Fiz as correcções devidas, sobretudo na questão do tempo verbal pois o texto - muito bom -, foi retirado do Myspace do músico que eu francamente aprecio muito. Gostava de abrir o blogue a um novo colaborador: quer avançar ou manter-se na rectaguarda? Obrigado

asd disse...

se o vitor rua merece inclusão de outros projectos também poderia aqui ser incluido O Pequeno Aquiles (e Superego)

Bourbonese disse...

É apenas uma questão de critério. Os Superego terei ficha própria. A questão do Vítor Rua é complexa pois cada disco que lança é quase um projecto isolado, o que se compreende dado o seu fabuloso trajecto musical. Eu sou um admirador confesso. Por exemplo, para mim, Vydia foi um dos melhores discos de música urbana e experimental portuguesa e está muito esquecido.