12 julho 2009

AFECTIVAMENTE GNR



Afectivamente GNR
Luís Maio, Assírio & Alvim, Rei lagarto 17, 1989
Sempre considerei Luís Maio um excelente jornalista musical (apesar de ter revelado desde sempre uma profunda paranóia contra os Ban de João Loureiro!) e um profundo conhecedor dos GNR. Este livro é relevante pois, não só o seu estilo é diferente do usualmente utilizado em Portugal, como dá voz à banda, sem descurar o pensamento crítico do autor. Elaborado numa base modular, em entrevistas isoladas e agrupadas com os diferentes membros do grupo até à data da sua edição, permite-nos ter acesso à distintas opiniões acerca da história do mesmo o que, no caso dos GNR, é deveras importante, pois trata-se de um projecto que atravessou fases muito distintas, com o seu núcleo sempre em ebulição, por força da luta interna resultante da existência de egos fortes. É pena tratar-se de um livro que esteja esgotado. Em certa medida entende-se que não tenha sido alvo de reedições pois apresenta-se hoje como algo datado e que não dirá muito às novas gerações. Mas não deixa de ser um dos mais importantes documentos sobre uma banda rock portuguesa.

0 comentários: