18 julho 2009

MANIFESTO



Oriundos de Ançã, arredores de Coimbra e formados em 1977 por Aurélio Malva (voz, guitarra), João Luís (bateria), José Tovim (baixo, guitarra, vozes) e Francisco Parreiral (teclas, vozes), os manifesto começaram por animar bailes e festas, tocando clássicos dos The Beatles, The Rolling Stones, Pink Floyd, The Clash, Devo, The Police ou U2. Porém, desde decidiram que não haveriam de passar o resto da vida a tocar música dos outros. Na viragem para os anos 80, quando se deu a explosão do chamado rock português, optaram por não ficar à margem do movimento e aproveitaram a primeira oportunidade que se lhes deparou concorrendo ao Festival Só Rock, tendo vencido uma das eliminatórias do concurso. Ao realizarem uma boa performance na final, abriram as portas para a gravação de dois singles. A partir daqui foram dois curtos anos de intensa actividade, com passagens na rádio e na televisão, bem como concertos por todo o país ao lado das maiores bandas da época. Na memória de quem assistiu ficou ainda o concerto que realizaram na antiga sede do Ançã Futebol Clube, com a participação dos Xutos e Pontapés, naquela altura, companheiros de editora. Sobre eles, António Duarte escreveu, no jornal "Se7e", tratar-se de uma banda com coisas interessantes para dizer, uma surpresa na procura de novas vias para o rock português. Já Belino Costa afirmará no mesmo jornal, que os Manifesto haviam dado uma contribuição decisiva para a politização do rock, defendendo que o tema "Você é um Homem Livre?" havia sido o primeiro manifesto político do rock português. Apesar de tudo isto, num país de brandos costumes, mais habituado a calar e a consentir, a sua mensagem de resistência e indignação não haveria de passar completamente. O mercado falaria mais alto e, tal como aconteceu com a imensa maioria das bandas daquele tempo, não sobreviveram à crise, tendo dado por encerradas as suas actividades em finais de 1982. O line up da banda manter-se-á inalterado de 1977 a 1981, ano em que o teclista Jójó integra a banda, substituindo Francisco Parreiral. A banda voltou a juntar-se recentemente, mantendo os três elementos de sempre e integrando Miguel Moita como teclista convidado. Independente desta reunião, José Tovim e Aurélio Malva continuam ligados à música já que são, há largos anos, membros da Brigada Victor Jara.

DISCOGRAFIA


AOS DOMINGOS VOU À BOLA [7"Single, Rotação, 1981]


NUCLEAR (À BEIRA MAR) [7"Single, Rotação, 1982]

0 comentários: