03 julho 2009

MUSGO



Antes de se darem a conhecer pelo nome de Musgo, este projecto do qual fazem parte três elementos dos Jaguar, apareceu com o nome de Morgen na compilação "I’m Not A Pop Star" da editora Som Sónico. Apresentavam-se então através de um tema onde predominavam as guitarras sónicas e minimalistas, deixando-nos pregados ao chão durante mais de oito minutos. Essa tendência foi-se diluindo ao longo dos tempos em detrimento da electrónica. O projecto lisboeta formado por Rodrigo Alfacinha (percussão, metalofone, órgão, baixo, ex-Mummies & Kids, ex-Jaguar), Eduardo Vinhas (piano eléctrico, nord modular, órgão, samples, ex-Jaguar) e João Osório (baixo, guitarra, ex-Jaguar), contando ainda com Renato Jacobetty (percussão) como membro permanente convidado. A sua sonoridade navega por electrónicas abstractas, algumas vezes procurando uma veia mais experimental, outras desenhando um espaço de fantasia, comunicante e afectuoso. As faixas são instrumentais recheadas de ruídos digitais, partículas orgânicas e sons minúsculos capazes de criar horizontes evocativos, como se tacteassem, no presente, de uma via possível do futuro. Há pontos de contacto com outros estetas da electrónica e do pós-rock mas existe, sobretudo, capacidade para fomentar panoramas sonhadores. A manipulação de fontes sonoras - digitais e analógicas - é feita de forma minimal com erros de percurso transformados em descobertas, texturas delicadas que parecem afagar a realidade à volta. Em resumo, os Musgo são basicamente uma banda cujo seu núcleo duro tem vindo a fazer música nos últimos 10 anos, primeiro em bandas de indie-rock e agora nas áreas da música electrónica. Há quem lhes chame os Black Dice portugueses mas no texto que acompanha o seu CDR "Apneia", referem-se os nomes do português Nuno Canavarro (autor de Plux Quba) e os Tortoise. Em Apneia, gravado em Janeiro de 2006, os Musgo traçam uma viagem que se faz de ambiências puras e paisagens sonhadoras utilizando para isso sintetizadores, glockenspiel, samples, entre outros. Já em 2009 criaram dois novos temas, "O Negro de Boukoumbé" e "A Morte do Símio" que foram gravados por Pedro Magalhães e misturados por Eduardo Vinhas no Golden Pony Studio e se prevêem editados em CDR pela Skinpin Records.

DISCOGRAFIA


TWILIGHT LANDSCAPE [CD, Skud & Smarty Records, 2003]

APNEIA [CDR, Skinpin Records, 2008]
O NEGRO DE BOUKOUMBÉ [CDR, Skinpin Records, 2010]
LOST TRACKS [MP3, Edição de Autor, 2012]

COMPILAÇÕES


I'M NOT A POP STAR [Morgen][CD, Som Sónico, 1998]


SUPER CASTELO BRANCO [CD, Skud & Smarty, 2005]

1 comentários:

filipsssss disse...

Existe outra banda do porto com o mesmo nome.
Os musgo do porto editaram lobotomy pela LAD em 2005 e same mistake 2010.