19 julho 2009

PAI MELGA



Nascidos em Novembro de 1987, os Pai Melga foram um projecto inconsequente criado em Braga. Praticavam um som pop-rock num projecto em que havia um bom praticante de guitarra e os restantes elementos da banda se caracterizavam pela mediocridade. Fruto de algumas boas crónicas, alcançaram algum estatuto mas dissolveram-se ainda em 1989, logo após a inclusão do tema "Protesto do Diabo" no primeiro volume da compilação "À Sombra de Deus". A sua formação era constituida por Carlos Batalhão (voz), Pedro Fernandes (guitarra), Paulo Miguel (guitarra), José Martins (baixo) e Limianos (bateria).

COMPILAÇÕES


À SOMBRA DE DEUS 01 [LP, Câmara Municipal de Braga, 1988]

CASSETES
Demo Tape 1989 4 15:13 3

PRESS
Boa Braga, Rafael Gouveia, LP nº10 de 04-01-1989
Depois dos Factos, Jorge Pereira, LP nº 12 de 19-01-1989

2 comentários:

Anónimo disse...

Apesar da mediocridade técnica, era uma banda que passava grandes emoções, fazia da música uma forma de partilha com o público de sentimentos muito forte e mostrava uma rebeldia contida que a todos contagiava...
Aquela entrada de triciclo na primeira parte num concerto dos Sétima Legião e a revolta no concerto dado no Festival da Amorosa são exemplo disso.
Mas o concerto com os Mão Morta e no Festival de Música Moderna de Coimbra foi a LOUCURAAAAAAAAAAAA

Anónimo disse...

Era uma banda de muito power... E tinham umas músicas muito fixes.
Deram grandes concertos e foi pena terem acabado. Se tivessem continuado, estariam hoje bem mais evoluídos e a festejar como os Mão Morta!!!
Braga era a capital do rock nessa altura. Pai Melga faz parte dessa história.
Adorei vê-los.
Filipa