28 novembro 2009

PEDRO AYRES DE MAGALHÃES



Pedro Ayres de Magalhães é, por ventura, o compositor mais importante na história da música moderna portuguesa do período pós-punk. Sendo um excelente guitarrista e um versátil compositor, esteve sempre um passo à frente, partilhando um ideal nacionalista saudável nas suas diversas aventuras musicais. Na década de 70, Pedro Ayres Magalhães começou por ser baixista, primeiro nos Faíscas - considerado o primeiro grupo de punk rock português - e depois nos Corpo Diplomático, uma inesperada banda de matriz new wave nascida talvez antes de tempo. Com o fim deste último projecto, Pedro Ayres de Magalhães, juntamente com outros elementos da banda, forma os Heróis do Mar, projecto bastante diferente dos anteriores já que mais dirigido para a música pop-rock. Com estes, marcou uma geração e revolucionou a polémica com sectores mais reaccionários da velha esquerda saída do 25 de Abril. Foi, com Rodrigo Leão, o criador, em 1987, dos Madredeus e um dos principais impulsionadores do projecto Resistência, onde participaram inúmeros musicos conceituados de Portugal, aglutinando tendências distintas em torno de um grupo que assentava a sua filosofia em letras portuguesas de canções de pop rock de outrém. Em 1982 criara já, demonstrando sempre veia de pioneiro, a editora independente Fundação Atlântica, onde foi director musical, juntamente com Miguel Esteves Cardoso. Neste selo foram editados os primeiros trabalhos de projectos como os Delfins, Anamar ou Sétima Legião, bem como passaram por lá, quando ninguém lhes dava guarida, os Xutos & Pontapés. De referir ainda o forte apoio dado a um músico emblemático e percursor como António Variações. Como atrás referia, sempre um passo à frente.

DISCOGRAFIA


O OCIDENTE INFERNAL [12"Maxi, Fundação Atlântica, 1985]

COLABORAÇÕES


AFTERDARK [CD, BMG, 1996]

COMPILAÇÕES


MAIS VALEM 36 MÚSICAS NO SAPATINHO [2xCD, União Lisboa, 1996]


O MELHOR DO ROCK PORTUGUÊS 1979-1985 [CD, EMI-VC, 2004]

PRESS
Procurar, Encontrar e..., Rui Monteiro, Blitz nº21 de 26-03-1985 [CAPA]

PRESS
20 Anos, 52 Pessoas, Blitz 1027 de 06-07-2004

7 comentários:

Inês Oliveira disse...

Foi tambem uma pessoa que ajudou imenso os Xutos.

(ler o "Conta-me Historias", Xutos & Pontapés)

perfeito-vazio.blogspot.com

rc disse...

Será que "Afterdark" pode ser considerada uma compilação. Ainda há dias tive o disco na minha mão e reparei que tinha escrito "Various" mas parece-me mais um disco de produtor.

Bourbonese disse...

Aceito ser discutível a sua inclusão.

rc disse...

Afterdark: só numa faixa é que tem o Pedro Ayres Magalhães. Essa colectânea não tem nada a ver com PAM. Agora não me lembro do produtor mas é britânico.

Bourbonese disse...

Em relação aos trabalhos do PAM tudo é tão disperso que é difícil saber exactamente aquilo em que esteve envolvido. Este homem foi talvez o mais importante contribuinte para a nova música portuguesa nas suas mais distintas vertentes.

rc disse...

No miau tem à venda o single promocional "Leva-me"/"Lisbon Sunset". Na parte de cima tem escrito Various e Afterdark. Na minha opinião Afterdark é mesmo o nome do colectivo. Quanto muito poderia ser considerado um trabalho do produtor Jonathan Miller. http://www.miau.pt/leiloes/leilao.jsp?offer_id=8008050

rc disse...

Há dias tive a ver uns blitz antigos e tinha um texto sobre o projecto Afterdark. O Miller disse que tinha gravado em Inglaterra e andava a tentar arranjar músicos em Portugal para alguns concertos. No texto é explicito a indicação "Afterdark com Pedro Ayres magalhães" logo é uma colaboração e não um tema autónomo do PAM. Mas se fosse aqui o blog nem tinha reparado nesse tema do Ayres Magalhães. Mas isso é porque eu ligo mais aos temas mais pop tipo o primeiro single ou até os temas que ele gravou com a Marta Dias.