28 novembro 2009

SEKTOR 304



Projecto de raiz industrial nascido no Porto em Julho de 2007 que, fiel às sempre relevantes sonoridades old school da música industrial dos anos 70/80, se tem apresentado como o verdadeiro arauto do género em Portugal. Formados por João Filipe (junk metal, percussão, bateria, baixo, guitarra, programação, também membro dos Karnnos, FRICS, HHY & The Macumbas, Cabidela, Esquizofrénicos) e André Coelho (Sintetizadores, samples, voz, junk metal, também membro dos Kult, Profan, Sparagmos e Cabidela) protagonizam um som muito eighties revitalizado com fortes influencias de SPK, Throbbing Gristle, Bourbonese Qualk, Laibach e Swans das suas fases iniciais mais poderosas, Einsturzende Neubauten, Toroidh ou mesmo MB. O que torna revitalizante esta banda é o facto dos seus temas, para além de realmente poderosos e bem construídos, apresentarem uma vertente orgânica marcante que permite a sua transposição para ambientes live. Este é um ponto em que muitos projectos falham, criando temas digitalmente processados em múltiplas camadas que os tornam inalcançáveis. Uma acentuada vertente étnica nalguns temas também permite a abertura de noutras pistas a explorar, sem que a banda se confine às fronteiras sempre limitativas da power electronics. Para quem ainda possa ter dúvidas tente apanhar uma das suas limitadas edições ou procure escuta-los algures online. Para mim são, de longe, os mais competentes nesta área, fazendo-me ter vontade de voltar a ouvir muitos dos discos dos seus percursores dos anos 80. E isso é bom! A primeira edição do grupo intitulou-se  "Primary Interface" que surge exactamente como um catálogo revisionista do género. Em 2008, após uma série de concertos, editam mais um novo trabalho a que deram o título de "Transmissions". Este longa duração ao assumir um maior pendor ambiental afastou-se, em certa medida, do primeiro, permitindo alargar os horizontes sonoros do grupo. Trata-se aqui de uma exploração das capacidades indutoras de espaço que cada som transporta e a consequente manipulação dos valores desses mesmos sons: a textura, o tom, a reverberação. Esta gravação marca também uma mudança clara na metodologia de trabalho: trata-se do primeiro registo inteiramente improvisado pelos dois elementos, carregando uma carga mais imediata e por vezes xamânica. No ano seguinte é editado pela norte-americana Malignant Records o álbum “Soul Cleansing”, disco que definirá uma longa duração ao selo e que, por via de uma distribuição mais global, permitirá o grupo chegar a um público mais vasto. O período compreendido entre a gravação deste e do trabalho anterior caracterizou-se por uma fase de aprendizagem e de grande renovação. Sektor 304 assumia-se agora como uma banda madura, capaz de aliar os diversos métodos de acção e de trabalho até então explorados resultando por isso num disco mais estruturado que os anteriores, mas talvez mais diverso em termos de referencias e de atitudes. Uma forte componente de percussão é introduzida, explorando novamente elementos concretos do dia-a-dia como chapas, latões, ferros, ou vigas, aliados a instrumentos de percussão. Detectam-se ainda novas influências da musica de nativa africana ou sul-americana nas secções rítmicas e um maior uso de samples e sons processados. Actualmente, os Sektor 304 contam com a colaboração do contrabaixista Henrique Fernandes e do percussionista Gustavo Costa.

DISCOGRAFIA


PRIMARY INTERFACE [CDR, Edição de Autor, 2007]


PS VS SEKTOR 304 [CDR, Edição de Autor, 2008]


PS VS SEKTOR 304 [MP3, Enough Records, 2008]


TRANSMISSIONS [CDR, Edição de Autor, 2009]


SOUL CLEANSING [CD, Malignant Records, 2009]


PRIMARY INTERFACE+TRANSMISSIONS [2xCDR, Edição de Autor, 2010]


SPLIT [c/Derrame Sanguíneo] [CDR + Book, Edição de Autor, 2010]


SUBLIMINAL ACTIONS [CD, Malignant Records, 2011]


SPLIT [c/ Dissecting Table] [CDR, UPD Organization, 2012]


SPLIT [c/Nyodene D] [CD, Malignant Records, 2012]


GEOMETRY OF CHROMIUM SKIN [c/Le Syndicat] [LP, Rotorelief, 2013]


GEOMETRY OF CHROMIUM SKIN [c/Dissecting Table] [LP, Malignant Records, 2014]


ENGAGE FORWARDS [7"Single, New Approach Records, 2014]


LIVE REACTION [CD, New Approach Records, 2014]


RUBY [c/Martin Bladh] [CD, Annihilvs, 2014]


COMMUNIPHONES [CD, New Approach Records, 2014]

COMPILAÇÕES


THIS IS INDUSTRIAL.PT [CD, Enough Records, 2008]


FALÉSIA 03 [MP3, Enough Records, 2009]

1 comentários:

Vozes Distantes disse...

E ao vivo com Wolfskin foi ainda melhor!!!...
Epá, grande concerto!!!... Um grande abraço ao João (aliás. aos dois joões...)...