19 dezembro 2010

STS PARANOID



O embrião da banda poderá ser registado em 1982, com a iniciativa de Orlando Matias (ex-Phoenix), no momento em que abandona os Andrómeda, de decidir formar um grupo de hard-rock. Nasciam assim os Atomic Mushrooms, cujo primeiro concerto teve lugar na Amadora em meados de 1983, em parceria com um sombrio projecto designado Artes & Manhas. O grupo era composto por Antonio José Alho (voz, antigo colaborador de Orlando, com quem havia formado, em 1973, os Phoenix), Orlando Matias (guitarra, teclas, voz), Nuno (guitarra), João Carlos Lopes (baixo, voz) e Joaquim Andrade (bateria, futuro membro dos Ibéria, Samurai e Da Vinci). Entretanto, já em 1984, mudam o nome para STS Paranoid, coincindindo com uma mudança de guitarrista devido à entrada de Mário Jorge Moutinho (ex-Arcádia, já falecido). Por esta altura, os ensaios decorriam numa casa mortuária! 1985 assiste a grandes alterações no seio da formação: Mário Moutinho e António Alho abandonam o projecto sendo substituídos, respectivamente, por António José Salomão (guitarra, ex-Semáforo, ex-Tânger) e João Henriques (voz, ex-Wild Shadow). Tocam no Rock Rendez Vous onde já se haviam apresentado em 1984. Gravam uma demo que chegou a figurar no 8º lugar do top do "Luso Clube" da Rádio Comercial. Pelo grupo irão, entretanto, ao longo dos anos, passar temporariamente outros membros como António Sanches (guitarra, ex-Aries), João Carlos Silva (guitarra, já falecido) ou Felipe (bateria, Mortifera, Adelaide). Os STS Paranoid (há quem refira que STS significava "Special Treatment Service Paranoid" mas outras fontes defendem a tese "Satan Take Our Souls") apresentavam influências de Iron Maiden, Black Sabbath e Judas Priest, isto é, tratava-se de uma banda praticante daquilo a que se designou chamar NWOBHM. Nos concertos eram frequentes as aparições dos ícones do hard rock da altura (masmorras e esqueletos). Segundo os próprios, a sua música era baseada em tudo o que lhes dizia respeito: morte, satanismo e o macabro em geral. Alguns dos seus temas intitulavam-se "A Senhora da Noite", "O Morto-Vivo", "Príncipe das Trevas" ou "Novos Heróis". Participaram no primeiro grande evento metálico português, um concerto realizado em 15 de Dezembro de 1984 em Santo António dos Cavaleiros, onde partilharam o palco com os Tarantula, Xeque-Mate e Sepulcro. A 4 de Outubro de 1986 tocam no Metal Stage, ocorrido no Cine Plaza na Amadora, juntamente com os Cruise, Valium e Satan´s Saints. Estiveram também, em 1987, muito próximos de integrar aquele que teria sido o primeiro duplo álbum de heavy metal nacional. Numa iniciativa conjunta do Rock Rendez Vous e da Metal Army, chegaram a gravar-se quatro sessões ao vivo designadas "Metal Lusitano" com a participação dos Black Cross, Tarantula, Procyon, Devil's Across, Satan's Saints, Navan e Blizzard), porém, a prensagem e o lançamento do documento nunca chegou a ocorrer. Os STS Paranoid acabaram em 1989, tendo-se voltado a reunir em 2006.

DISCOGRAFIA

BLOOD AND GUTS [Tape, Edição de Autor, 1983]

COMPILAÇÕES


HEAVY METAL IS THE LAW 01 [MP3, Heavy Metal.pt, 2008]

PRESS
O Diabo representa o Sistema, M.R., Blitz nº33 de 18-06-1985
STS Paranoid, Pedro Cardoso, Blitz nº122 de 02-03-1987

4 comentários:

Eduardo F. disse...

Parece que existiram uns outros Phoenix em meados da década de oitenta: http://mostraivos.blogspot.com/2009/06/phoenix.html
Ou seriam os mesmos?

E porque usa o amigo a expressão "tendo cometido suicídio"? Foi este texto traduzido do Inglês, por acaso? Em Português diz-se, simplesmente, "suicidou-se". Isto é só para estarmos conscientes de quão tomados podemos estar a ficar com o Inglês.

E acredita que também sofro com isso e irrito-me comigo mesmo.

Eduardo F. disse...

Também não se deve usar a expressão "tratavam-se". Correctamente é "tratava-se" (não se usa no plural, a não ser por exemplo, na frase, com outro sentido: "eles tratavam-se naquele hospital".)

:)

Bourbonese disse...

Eduardo: obrigado pelas correcções, já introduzidas no texto. Aproveitei para fazer outras que tinham sido originadas pelo facto de escrever rapidamente no teclado.

Eduardo F. disse...

Obrigado eu pela gentileza e pelo serviço público.
:)