20 abril 2012

PAULO ALEXANDRE E OS TELSTARS



Paulo Alexandre (pseudónimo de Modesto Pereira da Silva Santos), nascido em Vouzela no dia 16 de Fevereiro de 1931 iniciou a sua carreira artística em 1954, na extinta Emissora Nacional, no programa "Ouvindo As Estrelas" ao lado de nomes como Luis Piçarra, Maria de Lurdes Resende e Rui de Mascarenhas. Em 1958 junta-se a três solistas da Emissora nacional - Nuno d’Almeida, Américo Lima e Fernando La Rua - para formar o Conjunto vocal 4 de Espadas. Grava um EP com a Orquestra de João Nobre. Com os Telestars lança um EP que incluía temas como "Dancemos O Twist" e "Horizonte de Esperança". As duas primeiras canções são interpretadas por Paulo Alexandre acompanhado pelos Telstars e as duas restantes são instrumentais dos próprios Telstars. Neste EP, os Telstars eram Luís Pedrosa, Artur Pinto, João Vasco Mora e Carlos Silva Pereira. Os Telstars tiveram uma curta existência entre 1962 e 1964, sendo então apresentados como a réplica portuguesa dos famosos Shadows. O viola solo do conjunto, Luís Manuel Pedrosa, teve a primeira Fender existente em Portugal, exactamente igual à de Hank Marvin. O grupo gravou um único disco, em 1963, com selo da editora Alvorada, acompanhando Paulo Alexandre. Em Setembro do mesmo ano participaram no Concurso tipo Shadows realizado no cinema Roma em Lisboa. A ideia do nome da banda deveu-se a João Vasco Mora, que pretendeu homenagear o primeiro satélite de telecomunicações lançado precisamente em 1962. Paulo Alexandre dedicou-se posteriormente ao cançonetismo popular e à música ligeira, numa longa carreira cujo ponto comercial mais alto foi o famoso tema "Vinho Verde".

DISCOGRAFIA


DANCEMOS O TWIST [7"EP, Alvorada, 1963]


AGORA OU NUNCA [7"EP, Alvorada, 1964]

COMPILAÇÕES


PORTUGUESE NUGGETS 03 [LP, Galo de Barcelos, 2007]

0 comentários: